Os impérios mundiais e o reino do Messias

Lição 8 - 23/11/2014

Por: Eliseu Antonio Gomes

Os estudiosos do Livro de Daniel dividem o livro em duas partes: histórica e profética. Os capítulos 1 a 6 o identificam como conteúdo composto de narrativa cuja predominância é classificada como histórica, mesmo contendo uma parte no capítulo 2 que é profética; e do capítulo 7 ao 12 o que predomina são as profecias, recebidas por Daniel em formas de visões.

É importante notar que a ordem cronológica dos fatos não se seguem na ordem dos capítulos. Nos capítulos 5 e 6, o profeta passava dos 80 anos de idade, no capítulo 7 ele tinha por volta de 70. Do capítulo 7 ao 12, há sequência cronológica.

Império é a forma de governo monárquico, cujo soberano tem o título de imperador ou imperatriz. Enquanto os impérios humanos caem, o Reino de Deus se expande através de Jesus.


A Palavra de Deus é capaz de falar sobre acontecimentos históricos antes mesmo que eles aconteçam. No caso do profeta Daniel, Deus o usa em visões para revelar sobre o futuro do mundo e sobre o Reino de Deus.

A visão dos animais ferozes

O sétimo capítulo retrata uma grande parte da história antiga da civilização humana, que pode ser perfeitamente descrito como o Apocalipse do Antigo Testamento. Este capítulo é paralelo com a visão de Nabucodonosor, relatada no capítulo 2.

Em Daniel 7.1-8, o profeta, servo de Deus, recebe visões e interpretações, tal revelação foi recebida antes da festa de Belsazar (capítulo 5). Daniel vê animais ameaçadores, a aparência deles era repulsiva aos judeus, causavam terror por serem incomuns: um leão com asas de águia, um urso com três costelas na boca, um leopardo com quatro asas, um animal com aparência indescritível com dentes de ferro que comia e triturava tudo que encontrava pelo caminho. O quarto animal traz algo bastante peculiar: dez chifres e um chifre pequeno.

A interpretação

O significado desta visão nos leva a entender que, as figuras representadas pelo leão, o urso, o leopardo, e a fera indescritível, simbolizavam os quatro grandes impérios do mundo: Babilônia, Pérsia, Grécia e Roma; os quatro animais representam quatro reis que se levantaram sobre a terra. Em primeiro lugar, Nabucodonosor, o rei da Babilônia, em segundo lugar o império Medo-Persa, representado pela aliança dos reis da Média e da Pérsia, o terceiro, o império grego que aparece sobre a figura de Alexandre Magno, que após morrer teve seu reino dividido entre quatro generais, e, em quarto lugar o império romano. Esses impérios são representações de poderes gentílicos dominando o mundo, compreendem desde o período da geração do profeta Daniel até a segunda vinda de Cristo.

As características desses quatro seres é o retrato que Deus dá desses quatro impérios, são figuras animalescas, figuras de conhecimento cultural do homem para revelar verdades morais e espirituais, para revelar o surgimento deles ao longo da vida de Israel e do mundo, bem como destacar o último grande império mundial sob a égide de Satanás, representado pelo Anticristo.

Sobre o quarto animal, seus dez chifres simbolizam sua capacidade de realizar ataques eficazes, o poder que ele possui para subjugar e reinar. O significado dos dez chifres que saíam de sua cabeça, prefiguravam dez reis, advindos do antigo império romano.

O Anticristo

O pequeno chifre (Daniel 7.8), saído entre os dez chifres, descrito como tendo olhos e uma boca que fala insolências, será uma pessoa na pele do Anticristo escatológico, descrito pelo apóstolo Paulo como "homem do pecado" e "filho da perdição" (2 Tessalonicenses 2.3). Surgirá no último tempo entre dez reinos, no período da Grande Tribulação, blasfemando contra o Altíssimo até que venha o juízo de Deus sobre ele.

Tanto a profecia de Daniel quanto do evangelista João (7.8; Apocalipse 13.1, 5-6) apontam para um personagem dos últimos tempos, o período da Grande Tribulação, o Anticristo. Revelam que haverá um governante cuja personalidade terá alto poder de convencimento, sua retórica será persuasiva e impressionante, capaz de enganar através da eloquência de suas palavras, influenciando as nações tanto para a paz quanto para as guerras. Ele será um Líder que manipulará os governos do mundo, pois terá "uma boca que falará grandiosamente", e assim fará um pacto com Israel. Apresentará uma retórica blasfemadora contra o Criador e contra os homens, mostrará postura zombeteira contra Deus e contra Israel.

Ao longo dos anos muitas especulações foram feitas a respeito das figuras dos quatro animais. No passado, muitos crentes apontaram Hitler como o pequeno chifre, isto é, o Anticristo. Outros, Stalin, ainda, outros, o papa João Paulo II. Não sabemos quem é o Anticristo porque sua identidade não está revelada na Bíblia. O tempo provou que todas estas especulações eram equivocadas. Não devemos ir além do que menciona o texto bíblico.

De acordo com a interpretação evangélica conservadora, é preciso levar em conta que os muitos intérpretes de Daniel consideram os capítulos 7 e 8 como uma continuação do capítulo 2. As duas visões apresentam os mesmos fatos, a decadência desses impérios, porém, a Nabucodonosor, rei pagão, a visão da estátua revelou o lado político e material dos impérios, enquanto que a Daniel, servo de Deus, a visão revelou o lado moral e espiritual representados pelas figuras dos quatro animais.

O capítulo 2 tem o sonho de Nabucodonosor, interpretado por Daniel. O sonho apresenta quatro impérios representados por quatro figuras do mundo material. Os impérios são representados por uma grande estátua com cabeça feita de ouro; peito e braços de prata; ventre e quadris de bronze; pés compostos da mistura de ferro e barro. A estátua é derrubada por uma pedra, que é lançada sem o uso de ferramentas. Esta pedra é o Reino de Deus destruindo toda a concepção humana de imperialismo, desfazendo o poder das forças gentílicas.

O Anticristo será destruído pelo fogo e será lançado no Lago de Fogo (Daniel 7.11; Apocalipse 19.20). A Bíblia declara que ele será destruído pela força da vinda do Messias (2 Tessalonicenses 2.8).

O Filho do Homem

Em Daniel 7, o significado da expressão "filho do homem" refere-se a um ser humano distinto que recebe de Deus a soberania celestial, não é outra pessoa senão Jesus Cristo, o Messias, que se dará a conhecer em sua segunda vinda quando todo o olho o verá vindo do céu sobre o Monte das Oliveiras. (Zacarias 14.4; Atos 1.9-11; Apocalipse 1.7).

Jesus Cristo se identificou como o Filho do Homem (João 14.1-6, 28), para que soubéssemos que além de ser gerado no útero de uma mulher era o Filho de Deus (Salmos 2.7), para que pudéssemos saber que Ele além de divino também era um ser humano.

A Grande Tribulação

O clímax da visão profética de Daniel marca o advento da Grande Tribulação, que não será para a Igreja de Cristo. Antes deste período a igreja será arrebatada para o céu e os mortos em Cristo serão ressuscitados gloriosamente (1 Coríntios 15.51-52; 1 Tessalonicenses 4.13-18). O Messias virá para Israel e para o mundo.

A Grande Tribulação durará três anos e meio, ou 42 semanas, ou 126 dias (Daniel 9-7; 12.7; Mateus 24.21-22; Apocalipse 7.14). Será um período de sofrimento mundial, especialmente contra Israel. Nesta época, o Anticristo firmará o concerto com Israel, usará artifícios políticos simulando relações de paz entre Israel e as demais nações, depois quebrará o pacto e passará a perseguir Israel com o apoio das nações.

Jesus, o Messias, se fará visivelmente presente em plena batalha do Armagedom, quando as nações da terra sob o comando do Anticristo estiverem atacando Israel, e Israel estiver prestes a ser destruído clamar a Deus por socorro. A interferência do Senhor nesta guerra resultará na derrota do Diabo, seus anjos e todos os comandados pelo Anticristo.

O profeta Daniel viu o dia em que virá o Messias, nesta segunda vinda. O capítulo 7, versículos 9 a 14, nos mostra Deus, representado pela figura do Ancião de Dias. assentado em um trono de juízo, ali proferirá sentenças contra todos os reinos do mundo que tenham se associado com o Anticristo, julgará tanto os grandes quanto os pequenos. Em seguida, surgirá o Filho do Homem perante o tremendo e resplandecente trono de Deus, para receber o domínio, a glória, o reino, e o direito de reinar para sempre.

O milênio

Após a Grande Tribulação, que terminará quando Jesus tomar posse do governo do mundo e desfazer o domínio do Anticristo, do Falso Profeta e do Diabo, terá início o Milênio, que não é mera alegoria, Jesus reinará literalmente por mil anos, promovendo a paz na terra.

Conclusão

Nos dias atuais, o mundo parece estar sob a síndrome deste líder futuro, o Anticristo, ele não mostrou a sua cara porque a Igreja de Cristo ainda está presente neste mundo, guiada e fortalecida pelo Espírito Santo. Não há dúvida de que o espírito do Anticristo, movido pelo Diabo, mostra os seus primeiros sinais preparando o cenário mundial para o seu advento, que ocorrerá após o arrebatamento da Igreja ao céu.

E.A.G.

Compilações:
Ensinador Cristão, ano 15, página 40, outubro-dezembro de 2014, Rio de Janeiro (CPAD).
Integridade Moral e Espiritual - O legado do livro de Daniel para a Igreja Hoje, Elienai Cabral, páginas 97-101, 1ª edição, 2014, Rio de Janeiro (CPAD).


Fonte:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Olá,
Obrigado por comparecer ao blog Viva Bons Momentos e interagir através do seu comentário. Sua opinião é importante para nós.
Lembramos que a legislação brasileira responsabiliza o blogueiro pelo conteúdo do blog, incluindo os comentários escritos por visitantes. Assim sendo, agradecendo a visita e a interatividade de todos, avisamos sobre nossa Política de Moderação de Comentários:
• O Editor do blog Viva Bons Momentos analisa todos os comentários e não publica conteúdos que infringem as leis. São eles: palavrões, digitações caluniosas; ofensivas, que contenham falsidade ideológica, que firam a privacidade pessoal ou familiar e, em determinados casos, os comentários em anonimato.
•O editor desse Blog não aceita publicar todos os comentários anônimos. Embora haja aceitação de digitação de comentários anônimos, não significa que o mesmo será publicado. Priorizamos a publicação dos identificados. Os anônimos são publicados apenas quando escritos objetivando a preservação do digitador quando o assunto referir-se a ele mesmo.
Obrigado,
Viva Bons Momentos