O Prenúncio do Tempo do Fim

http://www.vivabonsmomentos.com/2014/11/o-prenuncio-do-tempo-do-fim.html
Lição 9 - 30/11/2014

Por Eliseu Antonio Gomes

O tempo do fim: há pessoas que têm arrepios quando ouvem tal expressão. Mas esta frase no Livro de Daniel não representa o fim do mundo, aponta ao período de tratamento de Deus com o povo de Israel, prenunciando a vinda de Cristo.

Por meio do contexto profético, a mensagem bíblica no oitavo capítulo de Daniel é de esperança, não há a perspectiva de terror, pois apresenta o triunfo do Reino de Deus.

Do segundo ao sétimo capítulos, Daniel usou o dioma aramaico, usado pelos gentios; a partir do capítulo 8 até o final do livro, o idioma usado pelo profeta passa a ser o hebraico, do povo de Deus, pois o assunto em foco dizia respeito ao povo judeu entre as nações gentílicas.



Daniel 8,1, 3-11

Verso 1. O ano terceiro do rei Belsazar seria 550/540 a.C., um ano muito significativo, em que Ciro rompeu com sua sujeição a Astíage, o medo, estabelecendo o estado conjunto dos medos e persas. Aquele qe o Senhor tomara pela mão direita (Isaías 45.1) já estava inconscientemente desempenhando o papel que Deus lhe designara na história, e sem dúvida alguns dos exilados na Babilônia reconheceram este fato.

Versículo 3: O significado do carneiro é o advento do império medo-persa

Segundo a interpretação de Daniel, 8,21, os dois chifres representam reis da Média e da Pérsia, sendo o maior o persa, que dominava sobre a Média. O rápido progresso de Ciro durante dez anos, de 549 a 539, sugeria um carneiro marrando todo animal que se lhe opunha. Arremetendo com ímpeto em direção ao ocidente e ao norte, para dentro da Ásia Menor, ele sobrepujou a Babilônia, somente para capturá-la mais tarde, tomando as terras a sudoeste e a sudeste.

Versículos 5 a 8: a visão do bode e do carneiro

Os dois animais referem-se respectivamente aos impérios medo-persa e grego.

Eram dois os chifres do carneiro: um maior que o outro. O maior referia-se a Ciro, o persa; o menor, a Dario da Média. O carneiro provindo do oriente, defrontando-se com um bode que vinha do ocidente, deparou-se com um inimigo mais forte, chegando ao seu fim. O bode representava o império grego, e o grande chifre Alexandre Magno, o mais célebre conquistador do mundo antigo.

Alexandre Magno, também conhecido como Alexandre o Grande, era filho de Felipe da Macedônia, o qual fora educado aos pés do sábio Aristóteles. Ele nasceu na Macedônia em 365 a.C., possuía inteligência avançada para o seu tempo, e foi comandante perspicaz das milícias gregas, humilhou o império medo-persa sem compaixão, quebrou os dois chifres do carneiro, por volta de 331 a.C., sendo depois também quebrado ainda quando forte, morreu prematuramente de maneira misteriosa com a idade de 43 anos, no ano 323 a.C - e assim cumpriu-se a profecia que Deus deu a Daniel cerca de 200 anos antes do fato ocorrer.

A continuação da visão mostra quatro chifres notáveis substituindo o chifre quebrado, esses quatro chifres representam quatro generais que após a morte de Alexandre o Grande assumiram o governo grego, repartindo entre si o império do seu predecessor, cada um uma parte do que lhe coube, isto é, Macedônia, Ásia Menor, Síria-Babilônia, e Egito.

O versículo 9: o protótipo do Anticristo

O texto nos informa que dos quatro chifres surgiu um chifre menor. Este, refere-se a Antioco Epifanes, o rei da Dinastia Selêucida, que governou a Síria entre 174 e 164 a.C.

Diz o relato profético que "por ele foi tirado o sacrifício contínuo, e o lugar do seu santuário foi lançado por terra". Isto é, ele impediu que os judeus realizassem os sacrifícios diários, da manhã e da tarde, conforme perscritos em Êxodo 29,38-42. A palavra "lugar" é reservada para a "habitação de Deus" e o Templo (1 Reis 8,30; 2 Crônicas 6,20). O ataque ao lugar de culto a Deus é um ataque ao próprio Deus.

Devido a intensa crueldade e ignomínia de Antioco Epifanes, muitos estudiosos das Escrituras Sagradas o consideram como um tipo de Anticristo. Porém, enquadrá-lo como a personificação do Anticristo mencionado no Novo Testamento é apenas especulação. Contudo, o capítulo 8 do Livro de Daniel 8 aponta para "o tempo do fim", refere-se à uma época escatológica, nos fazendo entender que a mensagem tem dupla referência profética. A conduta cruel e destrutiva de Antioco contra Israel no passado, representa perfeitamente a figura de um governante que surgirá no futuro, o Anticristo, que promoverá muitos males contra os israelitas e contra o restante da população mundial.

O espírito do Anticristo já opera no mundo. Entretanto, o povo de Deus deve se alegrar porque o nosso Senhor se relaciona com seus servos através do Espírito Santo. O povo escolhido é o conjunto de membros da Igreja de Cristo e pessoas, revestidas das armaduras celestiais, são selecionadas para anunciar o plano da salvação a este mundo que desconhece Jesus Cristo.

Conclusão

Quando teve esta visão, o profeta tinha por volta de 90 anos de idade. Naturalmente, sua força física e emocional era fraca devido aos anos vividos, e ao deixar o estado de êxtase espiritual e passar ao natural, não tinha forças para permanecer em pé, O conteúdo do que viu lhe tirou as forças físicas por algum tempo, impedindo que ele fizesse as coisas mais básicas (conferir versículos 11, 12, 27). Algo semelhante aconteceu com João na ilha de Patmos. Apesar disso, Daniel permaneceu lúcido e guardou segredo da revelação recebida, conforme orientação divina,

Para ninguém mais foi revelado o futuro como foi revelado ao profeta Daniel.


Compilações:
Daniel - Introdução e Comentário, Joyce G. Baldwin, páginas 146, 147, 1ª edição 1983, reimpressão 2008, São Paulo (Vida Nova)
Ensinador Cristão, ano 15, página 40, outubro-dezembro de 2014, Rio de Janeiro (CPAD).
Integridade Moral e Espiritual - O legado do livro de Daniel para a Igreja Hoje, Elienai Cabral, páginas 115-125, 1ª edição, 2014, Rio de Janeiro (CPAD).
Lições Bíblicas - Mestre (Jovens e Adultos), Integridade Moral e Espiritual, Elienai Cabral, 4º trimestre de 2014, páginas 62-67, Rio de Janeiro (CPAD).


Fonte: belverede.blogspot.com.br



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Olá,
Obrigado por comparecer ao blog Viva Bons Momentos e interagir através do seu comentário. Sua opinião é importante para nós.
Lembramos que a legislação brasileira responsabiliza o blogueiro pelo conteúdo do blog, incluindo os comentários escritos por visitantes. Assim sendo, agradecendo a visita e a interatividade de todos, avisamos sobre nossa Política de Moderação de Comentários:
• O Editor do blog Viva Bons Momentos analisa todos os comentários e não publica conteúdos que infringem as leis. São eles: palavrões, digitações caluniosas; ofensivas, que contenham falsidade ideológica, que firam a privacidade pessoal ou familiar e, em determinados casos, os comentários em anonimato.
•O editor desse Blog não aceita publicar todos os comentários anônimos. Embora haja aceitação de digitação de comentários anônimos, não significa que o mesmo será publicado. Priorizamos a publicação dos identificados. Os anônimos são publicados apenas quando escritos objetivando a preservação do digitador quando o assunto referir-se a ele mesmo.
Obrigado,
Viva Bons Momentos