Quando um missionário em outro país deve subornar?


Por Gregory Koukl
Tradução e Versão: Carla Ribas

Pelo bem da Justiça

A corrupção generalizada apresenta um dilema ético para a evangelização. 
Quatro pontos de vista: 
Gregory Koukl, Samuel Kunhiyop, Sharon Mumper, Marvin Wilson

A palavra "suborno" é feia, trazendo a palavra mal em sua definição. Para muitos, os subornos são sinônimo de desonestidade, fraude e corrupção. Seriam todos os presentes, destinados a obter favores especiais, realmente imorais?
Se os subornos são imorais por definição, então a questão está resolvida. Êxodo 23:08 parece inequívoco: "Não tomarás suborno, porque o suborno cega a lucidez e subverte a causa dos justos". Deuteronômio 27:25 ecoa, "Maldito aquele que aceita suborno para matar uma pessoa inocente."

No entanto, alguns versículos parecem elogiar os subornos. Provérbios 17:08 diz: "Pedra preciosa é o presente aos olhos dos que o recebem; para onde quer que se volte, servirá de proveito.” Ou considere 21:14, "Dê um presente em segredo a quem estiver zangado com você, e a raiva dele acabará”- uma banalidade com a qual todo cônjuge está familiarizado.

Como resolver a aparente contradição? A névoa se desfaz consideravelmente quando observamos duas importantes informações. Em primeiro lugar, praticamente cada palavra hebraica traduzida como suborno também pode ser legitimamente traduzida como presente, oferta, ou contribuição - e costuma ser. Claramente, a Escritura ensina que os presentes ("subornos"), dados de forma correta, podem criar oportunidades ou aplacar a raiva e aliviar o conflito.

Mas há também um lado obscuro. Provérbios diz: "O perverso aceita suborno secretamente, para perverter as veredas da justiça." (17:23); "O rei com juízo sustém a terra, mas o amigo de subornos a transtorna." (29:4); e "O que é ávido por lucro desonesto transtorna a sua casa, mas o que odeia o suborno, esse viverá." (15:27).
Você notou alguma coisa sobre cada versículo acima condenando a corrupção? O problema não era o presente dado como um meio de influência ("propina", se preferir), mas a perversão da justiça pretendida pelo presente.

A Bíblia condena consistentemente os presentes que subvertem a justiça. Ezequiel denuncia os "presentes que se receberam para se derramar sangue;" (22:12). O salmista louva o homem justo que não “aceita suborno contra o inocente" (15:5). Mesmo que não resulte em nenhuma injustiça imediata, o presente para obter vantagem pode facilmente marginalizar o pobre, uma vez que eles não podem competir com os ricos quando o assunto envolve favores.

Mesmo assim, há casos em que os subornos podem parecer necessários, apesar de seu caráter maligno. Nós enfrentamos dilemas que exigem ações consideradas erradas em outras circunstâncias.
Pense no seguinte: Você é parado enquanto dirige em um país estrangeiro e não pode prosseguir a menos que dê um "presente" a autoridade local. Ou o seu trabalho missionário fica impedido até que algum tipo de "consideração" seja feita para os responsáveis ​​(isso aconteceu comigo). E agora? Claramente, a demanda não parece justa, mas a alternativa certamente é pior.

Em alguns países, "o presente que o homem faz alarga-lhe o caminho e leva-o perante os grandes" (Prov. 18:16); os subornos são necessários para a cultura funcionar, apesar de sua influência corruptiva. Os pagamentos são quase como uma taxa municipal.
Essa é a verdade: O suborno para perverter a justiça é proibido. Subornos para "abrir caminho" para uma oportunidade pode ser inevitável. Presentear sem qualquer resultado injusto muitas vezes pode ser inteligente.

Fonte: Christianitytoday.com
Gregory Koukl, autor de Tactics: A Game Plan for Discussing Your Christian Convictions, é presidente do Stand to Reason, que treina cristãos para pensarem de forma cativante e inteligente.

Apenas Involuntariamente
Samuel Kunhiyop
Os missionários não devem subornar, nem com dinheiro ou de qualquer outra forma. É Bíblica e eticamente incorreto.

4 comentários :

  1. Bastante controverso,né?...Tema perigoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Suely, nunca pensei que, além de todas as dificuldades enfrentadas pelos missionários eles ainda tem mais essa. E, se foi publicada a matéria, pode acreditar que o dilema é mais frequente do que pensamos.

      Excluir
  2. Carla.

    Gostei muito de ver esta matéria vertida ao nosso idioma.

    Em se tratando de Brasil, e saindo do foco missões:

    É um assunto pertinente, principalmente por ser ano eleitoral, quando líderes de igrejas são alvos da classe política fazendo uso do expediente de "presentes", com objetivo de fechar as portas da comunidade cristã aos oponentes de candidatura e ter acesso liberado e exclusivo aos membros dela.

    Presente é algo bom, haja vista que a etimologia dessa palavra - além do que o autor do artigo descreveu - também é dom. A salvação é um dom de Deus, muito bem descrita no ato de dar presentes em Ezequiel 16.14!

    Deus, em seu poder, analisa nosso coração quando presenteamos o próximo, vê se nossa motivação é o amor sem interesses egoístas, ou interesse do bem estar coletivo. Não leva em conta o valor do presente, mas a intenção que nos leva à generosidade.

    É presente para pacificar uma contenda, como fez Jacó ao reencontrar o irmão Esaú? Tudo bem! É para saudar com boas-vindas, como fez o pai do filho pródigo, realizando uma festança e colocando um anel no dedo do garotão arrependido? Ótimo!

    "Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai" - Filipenses 4.8. Pensar neste trecho bíblico tem o sentido de empenhar-se para mudar a situação.

    E.A.G.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da sua abordagem Eliseu. Você abordou o mesmo assunto sob outra ótica. Parabéns!
      Abs

      Excluir

Olá,
Obrigado por comparecer ao blog Viva Bons Momentos e interagir através do seu comentário. Sua opinião é importante para nós.
Lembramos que a legislação brasileira responsabiliza o blogueiro pelo conteúdo do blog, incluindo os comentários escritos por visitantes. Assim sendo, agradecendo a visita e a interatividade de todos, avisamos sobre nossa Política de Moderação de Comentários:
• O Editor do blog Viva Bons Momentos analisa todos os comentários e não publica conteúdos que infringem as leis. São eles: palavrões, digitações caluniosas; ofensivas, que contenham falsidade ideológica, que firam a privacidade pessoal ou familiar e, em determinados casos, os comentários em anonimato.
•O editor desse Blog não aceita publicar todos os comentários anônimos. Embora haja aceitação de digitação de comentários anônimos, não significa que o mesmo será publicado. Priorizamos a publicação dos identificados. Os anônimos são publicados apenas quando escritos objetivando a preservação do digitador quando o assunto referir-se a ele mesmo.
Obrigado,
Viva Bons Momentos